As primeiras sondagens à boca das urnas em Espanha dão a vitória ao PP nas eleições deste domingo. O Podemos torna-se na segunda força política, ultrapassando o PSOE. Mas a nota dominante deste domingo, em que os espanhóis foram chamados às urnas pela segunda vez em seis meses, para escolher um novo Governo, é a da abstenção – a maior da história da democracia espanhola.

A sondagem à boca das urnas realizada pela GAD3 para o ABC e para a Cope, coloca o PP de Mariano Rajoy à frente, com 30,4% dos votos (entre 121 e 124 deputados). O Unidos Podemos, de Pablo Iglesias, fica em segundo lugar, com 24,8% dos votos (87 a 89 deputados), o PSOE de Pedro Sanchez passa para terceiro lugar (21,8% dos votos – 84 a 86 deputados) e o Ciudadanos fica em quarto (13,2% dos votos – 29 a 32 deputados). 

A sondagem da Sigma Dos também coloca o PP na frente, com 117 a 121 assentos parlamentares, o Podemos em segundo lugar, com 91 a 95 deputados, o PSOE em terceiro com 81 a 85 deputados e o Ciudadanos fica em quarto lugar, com 26 a 30 assentos.

Os cenários governativos continuam uma incógnita e a noite promete ser longa. As possíveis alianças entre os diferentes partidos podem decidir a formação do próximo Governo em Espanha. Além disso, era esperada uma afluência mais alta às urnas e as sondagens podem não ter em conta que este escrutínio teve a mais baixa participação de sempre em Espanha. 

O Ministério do Interior espanhol anunciou que a afluência às urnas até às 18:00 foi de 51,21%. Um dado que representa uma queda de sete pontos percentuais face ao ato eleitoral de há seis meses.