A Arábia Saudita decapitou esta terça-feira a 88.ª pessoa condenada à morte, ultrapassando o total atingido no ano de 2014, apesar das preocupações dos ativistas da falta de justiça dos julgamentos realizados, noticiou a AFP.

De acordo com a agência noticiosa, a execução de dois sauditas por tráfico de droga e de um terceiro por assassínio eleva para 88 o número de decapitações atingido este ano pelo regime conservador.

Este número ultrapassa as 87 mortes por execução registadas em 2014.

Na semana passada, o governo da Arábia Saudita divulgou uma oferta de emprego para a contratação de oito carrascos para executarem, por decapitação, o grande número de condenados à morte no reino. 

A oferta de emprego, divulgada no site do Ministério do Serviço Público, indicava que a função seria “executar os condenados à morte” e não exigia qualquer qualificação particular ou experiência. 

Os futuros funcionários encarregar-se-ão também “de amputações” de pessoas condenadas por roubo.