Um tribunal tradicional do Sudão do Sul reduziu o número de vacas que os varões refugiados na sede da ONU na capital Juba devem pagar como dote do casamento, devido à sua precária situação económica.

Decidimos que o mínimo de dote para se casar dentro dos centros de proteção da ONU em Juba é 15 vacas", contou à agência Efe um líder da tribo nuer, Thomas Woul Patheng, quando anteriormente o habitual era uma centena.

Os refugiados também podem oferecer como dote o equivalente em dinheiro a 15 vacas, ou seja, cerca de 30.000 libras sudanesas (cerca de 400 dólares ou 356 euros, à taxa de câmbio atual), acrescentou Patheng, que dirige um dos tribunais tradicionais, que têm a responsabilidade de dirimir questões relativas a casamentos e disputas familiares dentro dos clãs.

Para as tribos do Sudão do Sul, o gado é mais importante que o dinheiro, já que do número de animais depende o prestígio social, riqueza e até o matrimónio.

Na sede da missão da ONU em Juba estão cerca de 30.000 civis, a maioria pertencentes à tribo Neur, devido aos combates na capital e à violência étnica.

O conflito, que teve início em dezembro de 2013, causou já milhares de mortes e dois milhões de deslocados.