As autoridades do Laos encontraram os corpos de 17 pessoas disse hoje o cônsul da Tailândia naquele país à agência de notícias France-Presse, quando prosseguem as operações de resgate de centenas de desaparecidos.

"Foram recuperados 17 corpos até agora, mas ainda não podemos estimar o número de desaparecidos", disse o cônsul da Tailândia no Laos, Chana Miencharoen.

Pelo menos oito aldeias da província de Attapeu, no sul do país, ficaram completamente inundadas após a barragem que estava em construção nos rios Xe Pian e Xe Namnoy ter cedido na segunda-feira, de acordo com o jornal Vientiane Times.

As autoridades estão a utilizar helicópteros e embarcações para resgatar centenas de pessoas desaparecidas ou que se encontram ainda presas nos telhados de suas casas, disse o governador do distrito, Bounhome Phommasane, ao mesmo jornal.

Os serviços meteorológicos do país preveem nos próximos dias novas chuvas fortes e moderadas, acompanhadas de fortes ventos na região, o que poderá agravar a situação.

O primeiro-ministro do país, Thongloun Sisoulith, viajou para a área para supervisionar as operações de resgate e assistência às vítimas.

Os 'media' oficiais noticiaram que a barragem hidroelétrica de Xepian-Xe Nam Noy, na província de Attapeu, desabou na segunda-feira, libertando grandes quantidades de água, varrendo casas e deixando mais de 6.600 pessoas desalojadas.

A barragem foi construída por uma ‘joint venture’ liderada por empresas sul-coreanas, com parceiros tailandeses e laosianos.

Dezenas de barragens estão atualmente em construção no Laos, que exporta a maior parte da sua energia hidroelétrica para os países vizinhos, incluindo a Tailândia.

Desde há vários anos que as organizações ambientais expressam as suas preocupações sobre as ambições de energia hidroelétrica do Laos, incluindo o impacto das barragens no Mekong, na sua flora e fauna, na população rural e nas economias locais que dela dependem.

A barragem da província de Attapeu, um projeto de mais de 855 milhões de euros, está em construção desde 2013, uma obra da responsabilidade da Xe Pian-Xe Namnoy Power Company (PNPC), uma ‘joint venture’ formada pela empresa tailandesa Ratchaburi Electricity Generating Holding, a empresa coreana Korea Western Power e da empresa Laot Holding State Enterprise, do Laos.