Em declarações ao jornal Folha de São Paulo, o coronel Robson Rodrigues, chefe da polícia militar da cidade, afirmou que a técnica será destinada a inicialmente a 400 elementos e se tiver resultados poderá ser alargada.

"Um polícia com menos 'stress' dispara menos numa operação", afirmou.