Pelo menos nove pessoas desapareceram e outras duas ficaram feridas depois de uma explosão numa central química na província chinesa de Shandong, informou esta quarta-feira a emissora oficial CCTV.

As causas da explosão são ainda desconhecidas.

Não se sabe quantas pessoas se encontravam dentro da fábrica, pelo que se estima que o número de vítimas possa vir a aumentar nas próximas horas.

A explosão em Shandong é a primeira desde que 164 pessoas morreram e 700 ficaram feridas quando um terminal de contentores explodiu no porto de Tianjin, em agosto.

O incidente em Tianjin reacendeu as críticas ao governo chinês sobre as medidas de segurança no setor industrial e, nesse seguimento, Pequim ordenou inspeções às fábricas com produtos perigosos e inflamáveis em todo o país.

De acordo com as autoridades chinesas, todos os anos morrem 70.000 pessoas em acidentes industriais. Os especialistas estimam, no entanto, que o número real seja bem superior, sublinhando que muitos incidentes não ficam nos registos ou são mesmo ocultados.