O regime norte-coreano condenou as manobras navais que os Estados Unidos realizam juntamente com a Coreia do Sul esta semana na península e ameaçou responder com um “ataque inimaginável”.

O Comité de Emergência em Oposição aos Exercícios de Guerra Nuclear criticou a mobilização em torno da península de ativos estratégicos nucleares por parte de Washington, através de uma nota publicada pela agência estatal norte-coreana KCNA.

O Pentágono destacou o porta-aviões de propulsão nuclear USS Ronald Reagan e dois contratorpedeiros, entre outros navios, para estas manobras que concluem a 20 de outubro.

"Os Estados Unidos enlouqueceram ao colocar sob os nossos narizes os alvos que tínhamos definido como primários. Os Estados Unidos deviam já esperar que fossem enfrentar um ataque inimaginável, num momento inimaginável", diz o texto.

O comité norte-coreano assegurou que Washington destacou também o submarino nuclear USS Michigan, cuja participação não foi confirmada oficialmente.

"Isto demonstra que os Estados Unidos e as suas marionetas [em referência da Coreia do Sul] estão a preparar-se para um 'ataque preventivo'" contra a Coreia do Norte, acrescentou.

As manobras dos aliados acontecem depois de a tensão na região se ter atenuado, e mais de um mês depois de Pyongyang realizar os últimos testes de armamento, que incluíram um teste nuclear a 03 de setembro e o lançamento de um míssil que sobrevoou o Japão no dia 15 do mesmo mês.