O primeiro-ministro confirmou este sábado a morte da portuguesa de 20 anos que estava desaparecida desde o atentado em Barcelona, na passada quinta-feira.

O secretário de Estado das Comunidades, que está em Barcelona, acabou de me informar que se confirma o falecimento de uma segunda vítima portuguesa. Era a neta da senhora portuguesa que ontem já tinha sido confirmado o seu falecimento. Queria mais uma vez apresentar condolências à família e sinalizar que isto demonstra bem como a ameaça é de facto uma ameaça global, não só porque pode surgir em todo o sitio como também pode atingir qualquer um. Mesmo não sendo na nossa terra, é também no sítio onde estamos em férias, em turismo, em trabalho", afirmou António Costa.

O secretário de Estado acrescentou depois, em direto de Barcelona, que a jovem era filha única e tinha acabado de chegar a Barcelona para oito dias de ferias com a avó, de quem era muito próxima. As duas tinham chegado naquele dia, ligado à família e saíram para o primeiro passeio na cidade, pelas Ramblas, quando foram colhidas.

Esta jovem esteve de férias com o pai e vinha cá [a Barcelona] com a avó, que era a sua confidente, passar oito dias. Chegaram, instalaram-se contactaram com a família e foram dar um pequeno passeio. E foram colhidas neste acidente trágico", disse o governante português, que hoje de manhã se reuniu com a família para dar a notícia da morte da jovem.

José Luís Carneiro contou ainda ter estado com a família das duas mulheres que morreram no atentado, a quem transmitiu "as mais profundas condolências" por parte do Governo português e a sua "total disponibilidade" para apoiar na transladação.

Os pais estão destroçados. Por várias circunstâncias. Primeiro porque foram colhidos pela surpresa da morte da mãe deste português e ficaram estas horas sem saber do paradeiro da sua filha, isso em si mesmo é muito trágico", disse o secretário de Estado.

Ao mesmo tempo, acrescentou, os pais ainda não puderam ver o corpo da filha.

É por isso que pedimos hoje toda a celeridade processual por forma a que os pais possam encontrar-se com esta vitima, que é a sua filha", afirmou.

O Governo português pediu ajuda às autoridades catalãs para agilizar o processo que permita a transladação dos corpos das duas vítimas mortais portuguesas do atentado de quinta-feira. O governante português confirmou também que "até agora, nas vítimas que estão feridas nos hospitais, (...) não há registo de qualquer português".

O Presidente da República disse ter sido com “profundo pesar” que soube da confirmação da segunda vítima mortal portuguesa no “ignóbil” atentado de Barcelona, renovando as condolências “à família tão duramente atingida”.

Foi com profundo pesar que tomei conhecimento da confirmação da segunda vítima mortal portuguesa no ignóbil atentado de Barcelona. Renovo as minhas sentidas condolências à família tão duramente atingida, em meu nome próprio e da Nação portuguesa”, lê-se numa mensagem do chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, divulgada na página da Internet da Presidência da República.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro confirmou que uma portuguesa de 74 anos, da região de Lisboa, morreu no ataque de Barcelona, e que a neta, que acompanhava a idosa na viagem à Catalunha, estava desaparecida. Os pais da jovem viajaram para Barcelona depois de chamados pelas autoridades espanholas para verificarem a identidade de uma das vítimas no Instituto Forense. 

Os ataques na Catalunha, fizeram pelo menos 19 mortos, entre vítimas e suspeitos abatidos. Foram já identificadas vítimas de várias nacionalidades.

A Polícia da Catalunha já deteve quatro pessoas por suposto envolvimento no ataque que foi entretanto reivindicado pelo Estado Islâmico.