Um grupo de especialistas britânicos descobriu que a maioria das bebidas quentes vendidas nas grandes cadeias de cafetarias do Reino Unido têm quantidades “alarmantes” de açúcar, mais até que os refrigerantes.

O estudo é da ONG Action Sugar, que analisou 131 bebidas quentes de estabelecimentos como Starbucks, Costa e Caffe Nero, e concluiu que um terço continha uma quantidade de açúcar igual ou superior a uma lata de Pepsi ou Coca-cola, ou seja, o equivalente a nove colheres de chá.

A Action Sugar constantou mesmo que, nalguns casos mais extremos, algumas bebidas chegavam a conter o equivalente a 20 colheres de chá de açúcar.

Das 131 bebidas analisadas, 98% receberiam um rótulo de valor nutricional vermelho devido ao elevado teor de açúcar, se os cafés fossem obrigados a identificá-los.

A Organização Mundial da Saúde recomenda que o consumo diário de açúcar não ultrapasse 10% das calorias ingeridas diariamente, o que ronda, numa dieta saudável, as 50 gramas por dia. Mas, segundo um relatório da OMS publicado em março do ano passado, o ideal seria reduzir para os 5%, isto é, até 25 gramas de açúcar por dia.

Entre as bebidas analisadas estavam cafés com sabores, bebidas quentes com sabor a fruta e chocolate quente.

A bebida identificada com teor de açúcar mais elevado foi a Starbucks’s Hot Mulled Fruit: 25 colheres de chá de açúcar no total, três vezes mais do que a dose máxima diária recomendada para adultos.

Uma chavena de chá com leite na cadeia Costa, em tamanho grande, contém 20 colheres de chá de açúcar, enquanto um chocolate quente em tamanho grande na Starbucks contém 15 colheres, o dobro da dose máxima diária recomendada para adultos.

Também na Starbucks, uma bebida de chocolate branco com chantilly contém 18 colheres de chá de açúcar.

Este é mais um exemplo das quantidades escandalosas de açúcar adicionados às nossas comidas e bebidas. Não admira que tenhamos as maiores taxas de obesidade na Europa", afirmou Graham MacGregor, presidente da ONG britânica.