Pelo menos 15 jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI) morreram e dezenas de outros ficaram feridos esta terça-feira em bombardeamentos da coligação internacional e das forças curdas perto da estratégica barragem de Mossul, no norte do Iraque.

Muhedin al Mazuri, responsável pela segurança da instalação, disse à agência Efe que os aviões da coligação – liderada pelos Estados Unidos - atacaram várias posições do EI nas aldeias de Al Shiha e Jerab Kober, sete quilómetros a sul da barragem.

As forças curdas «peshmergas» também bombardearam com fogo de artilharia as mesmas posições até à madrugada de hoje, segundo Muhedin al Mazuri, que indicou a existência de feridos muito graves.

O EI procurou, por várias vezes, em novembro e já no início deste mês, recuperar o controlo da barragem, mas viu as tentativas goradas pelos intensos bombardeamentos, que causaram dezenas de baixas nas suas fileiras.

Esta instalação, a mais importante do norte do Iraque, esteve nas mãos dos jihadistas durante 20 dias, entre finais de junho e agosto, mas as tropas curdas recuperaram o seu controlo.

O EI ocupou em junho último a cidade de Mossul e outras zonas da metade norte do país, proclamando, no final desse mesmo mês, os territórios sob o seu controlo no Iraque e na Síria como um califado.