Estudantes da Guiné-Bissau na Rússia estão a pedir a intervenção das autoridades guineenses junto do governo de Moscovo por recearem ataques da população que os aponta como portadores do vírus Ébola, disse um dos alunos a uma rádio local.

Elísio Barbosa, presidente da Associação dos Estudantes Guineenses na Rússia, referiu, em contato telefónico com uma rádio de Bissau, que a população da cidade de Oriol (a 400 quilómetros da fronteira com a Bielorússia e com a Ucrânia) «está furiosa com os estudantes africanos», nomeadamente os guineenses.

Quinze estudantes guineenses, contemplados com bolsas de estudo do governo russo, chegaram a Moscovo na terça-feira e um dos jovens foi levado ao médico por ter febre.