O Estado Islâmico garantiu, esta sexta-feira, que não sofreu baixas no bombardeamento norte-americano de quinta-feira, no leste do Afeganistão, contrariando assim as autoridades afegãs que dizem que o ataque matou pelo menos 36 jihadistas.

Uma força de segurança desmentiu à agência Amaq a existência de qualquer morto ou ferido no ataque americano de ontem em Nangarhar”, indicou a Amaq.

O Governo afegão afirmou, esta sexta-feira, que o bombardeamento destruiu uma rede de túneis utilizada pelo Estado Islâmico e causou a morte de pelo menos 36 combatentes daquele grupo radical.

Na sequência do bombardeamento, esconderijos estratégicos do Daesh [sigla em árabe para Estado Islâmico] e uma rede de túneis foram destruídos, e 36 combatentes do Estado Islâmico mortos”, disse o Ministério da Defesa, em comunicado.

Segundo a AFP, as autoridades afegãs descartaram a possibilidade de vítimas civis.

Os Estados Unidos lançaram a sua bomba mais potente, não nuclear, sobre várias cavernas do Estado Islâmico no este do Afeganistão. Informações divulgadas pela cadeia CNN, dão conta de que a bomba, com dez toneladas de explosivos, foi lançada na quinta-feira às 19:00 locais, cerca das 14:30 em Lisboa.

Fontes militares norte-americanas revelaram também que o alvo foi um complexo de túneis e cavernas usados pelo Daesh e também milícias estacionadas no distrito de Achin, na província de Nangarhar, situada a leste do Afeganistão e da sua capital Cabul.