O sismo de magnitude 7,2 que atingiu no domingo a fronteira entre o Irão e Iraque causou pelo menos 407 mortos, segundo o último balanço divulgado pelas autoridades e citado pela Associated Press.

A grande maioria das vítimas estava em território iraniano, todos na província ocidental de Kermanshah, limítrofe do Iraque. Do lado iraquiano, há pelo menos oito vítimas mortais registadas.

O abalo fez ainda mais de 4.000 feridos.

Segundo uma das agências humanitárias, pelo menos 70 mil pessoas ficaram desalojadas.

O epicentro foi a sudeste de As-Sulaymaniyah, no norte do Iraque, precisamente junto à fronteira com o Irão e a 200 quilómetros de Bagdad. Também foi, de resto, sentido na capital iraquiana, ali com uma magnitude 6,5.

O terramoto ocorreu por volta das 21:20 locais, 18:20 em Lisboa, a uma profundidade de 33,9 quilómetros. Foi sentido em vários outros países do Médio Oriente, como a Turquia, o Kuwait e o Qatar.

Habitantes de várias províncias iraquianas contactadas pela agência Efe contaram que o terramoto se sentiu durante vários minutos, mas ainda não há informações oficiais sobre a extensão dos danos.

A agência de notícias do Kuwait divulgou que o terramoto também se fez sentir naquele país do Golfo Pérsico, mas com intensidade menor, entre 04 e 05 na escala de Richter. 

O terramoto sentiu-se também na cidade de Kirkuk, danificando habitações e obrigando os habitantes a saírem dos edifícios.