Pelo menos 90 pessoas morreram na sequência de bombardeamentos de aviões não identificados no norte da Síria, horas depois de os EUA e Rússia terem concluído um acordo de cessar-fogo para entrar em vigor dia 12, informou o OSDH.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), organização não-governamental com sede no Reino Unido, informou que 58 pessoas morreram num ataque aéreo no mercado da cidade de Idlib e que outras 32 foram mortas quando aviões de combate bombardearam a província de Alepo.

As primeiras informações do OSDH indicavam 24 vítimas e vários feridos nos bombardeamentos na cidade de Idlib.

Também houve bombardeamentos noutras partes da província de Idlib, e nas imediações da cidade de Yisr al Shogur, nas áreas de Ain al Baida e Hambushia, e na cidade de Badama.


Movimento Islâmico dos Livres de Sham ainda não emitiu posição

O Movimento Islâmico dos Livres de Sham (Levante), uma das fações armadas mais importantes da Síria, quer mais informações sobre o acordo de cessar-fogo anunciado pela Rússia e Estados Unidos antes de emitir uma posição sobre o assunto.

Em declarações à Efe, um responsável dos Livres de Sham disse que esperam “receber mais detalhes sobre o pacto e os mecanismos para a sua aplicação e vigilância, além de muitos detalhes essenciais sobre a estrutura do acordo”.

Assim que sejam esclarecidos todos os pontos, os grupos revolucionários vão chegar a acordo sobre como responder”, disse a fonte.

Hezbollah libanês anuncia apoio ao acordo de cessar-fogo

O Hezbollah anunciou o seu apoio a um acordo para uma trégua na Síria, onde os combatentes do movimento xiita libanês atuam ao lado das forças do Presidente Bashar al-Assad.

O “comandante para as operações terrestres na Síria” declarou que o Hezbollah “apoia o cessar-fogo”, através de um comunicado divulgado na madrugada de hoje pela sua televisão, a Al-Manar.

Os aliados da Síria comprometem-se totalmente em respeitar a decisão dos dirigentes, do Governo, da segurança e das forças políticas sírias”, sublinha o texto.