O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse esta segunda-feira que o trabalho da Comissão de Inquérito sobre a Síria deve continuar, apesar da resignação de uma das suas investigadoras.

Segundo o seu porta-voz, Stephane Dujarric, Guterres acredita que a responsabilização dos culpados pela situação na Síria é "crítica" e que o trabalho desta comissão "é uma parte importante e integral do processo de responsabilização."

A comissão foi estabelecida pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU para denunciar violações de direitos humanos e crimes de Guerra na Síria.

Carla Del Ponte, a investigadora suíça que abandonou a comissão, diz que tomou a decisão devido à recusa do Conselho de Segurança aprovar uma investigação para crimes de Guerra no país, algo que a comissão já recomendou diversas vezes.

"Não posso permanecer nesta comissão que não faz nada", disse a procuradora ao jornal suíço Blick, acusando alguns membros do Conselho de Segurança de "não quererem justiça."

No início havia os maus e os bons. A oposição estava do lado dos bons, o governo era os maus. Hoje, todos estão do lado dos maus. O governo de (Bashar al) Assad cometeu horríveis crimes contra a humanidade e usou armas químicas. A oposição é composta de extremistas e terroristas", concluiu.