Os Estados Unidos anunciaram a interrupção das negociações com a Rússia sobre um cessar-fogo na Síria. Uma notícia que surge depois do fim da trégua consagrada no acordo russo-norte-americano de 9 de setembro.

A Casa Branca defende a sua decisão com a acusação de que Moscovo está a tentar bombardear civis “até à submissão”.

A paciência de todos com a Rússia esgotou-se, já não há mais nada de que os Estados Unidos e a Rússia possam falar”.

Um problema "trágico", segundo o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest.

Veja também o medo de uma menina síria de 7 anos:  "Esta noite não morri por milagre"

A 15 de setembro,  Moscovo também acusou Washington de não estar a cumprir o cessar-fogo, sendo que um dia depois mostrou-se disponível para a prolongar. 

Uma coisa é certa: depois da trégua acordada, as mortes regressaram à Síria, o hospital de Aleppo voltou, inclusive, a ser bombardeado no último sábado , 1 de outubro. 

Só até meio de setembro, a guerra tinha matado já mais de 300.000 pessoas