Pais dos 43 estudantes desaparecidos no México encabeçaram nesta segunda-feira uma manifestação de protesto, que terminou em atos de violência, em Chilpancingo, capital do Estado de Guerrero, noticia a Lusa.

Cerca de 300 pessoas, incluindo alunos da Escola Normal Rural de Ayotzinapa, a que pertencem os estudantes desaparecidos, e professores, membros da Coordenadora Estatal de Trabalhadores da Educação de Guerrero (Ceteg), pintaram palavras de ordem em edifícios na zona sul de Chilpancingo.

Alguns manifestantes encapuçados, que brandiam paus e engenhos incendiários, queimaram três veículos da Procuradoria estadual e destruíram outros 20.

Durante o protesto, a mãe de um dos desaparecidos declarou que este é o início de “outra luta” mais intensa e advertiu que os ataques vão continuar se não lhes devolverem os filhos vivos.

Felipe de la Cruz, porta-voz dos pais, disse que o protesto reflete a raiva das famílias por não terem recebido resposta sobre o destino dos seus filhos, desaparecidos em 26 de setembro, em Iguala, às mãos de polícias e membros do crime organizado.

Por seu lado, os professores da Ceteg avisaram que vão fazer mais ações radicais até que os 43 estudantes apareçam com vida, garantindo que não receiam represálias das autoridades.