Os primeiros casos irlandeses do vírus Zika foram detetados em duas pessoas que viajaram para um país infetado pela infeção, revelou o Serviço de Saúde da Irlanda (HSE).

Segundo um comunicado, o HSE informa que as duas pessoas, cujos casos não estão relacionados e nenhuma está grávida, estão bem de saúde e totalmente recuperadas.

"A descoberta de casos Zika na Irlanda não é um acontecimento inesperado, visto que muitos outros países europeus têm relatado casos resultantes de viagens às áreas afetadas".

O vírus Zika manifesta-se em sintomas semelhantes aos da gripe, como febres baixas, dores de cabeça, dores nas articulações e erupções cutâneas.  

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a doença está a propagar-se " de forma explosiva" pelo continente americano, com três a quatro milhões de casos esperados este ano, dos quais 1,5 milhões no Brasil, o país mais afetado.  

Este vírus é associado no Brasil a um aumento de casos de microcefalia, um distúrbio de desenvolvimento fetal que causa o perímetro do crânio infantil mais baixo do que o normal, o que provoca atrasos no desenvolvimento mental.