O condutor e o dono da carrinha envolvida no acidente que matou 12 portugueses em Moulins, França, estão acusados de homicídio involuntário agravado, adianta esta sexta-feira uma fonte judicial francesa.

Citado pela agência France Presse, Pierre Gagnoud, procurador de Moulins, localidade próxima do local do acidente, indicou que o condutor, de 19 anos, e o tio, proprietário da carrinha, estão detidos provisoriamente até segunda-feira, depois de terem pedido um adiamento para que possam preparar a defesa.

"A detenção provisória não altera em nada uma decisão" posterior sobre se se mantêm presos, acrescentou Pierre Gagnoud, salientando que o caso vai necessitar de investigações no estrangeiro. 

"[O condutor da carrinha] respondeu com sinceridade aos investigadores, mas não conseguiu explicar, para já, as circunstâncias do acidente. Está com um dificuldades em lembrar-se do que aconteceu, Apenas se recorda dos socorristas", indicou o advogado do jovem motorista, Antoine Jauvat.

De acordo com os advogados, os dois homens estão "profundamente marcados", pois também têm familiares entre as vítimas.

"Foi por essa razão que eles afirmaram desejar pôr fim às suas vidas, razão pela qual foram imediatamente levados para a ala de psiquiatria", acrescentou o advogado do proprietário da carrinha, William Hillairaud.

As 12 vítimas, que viviam na Suíça, deslocavam-se a Portugal para passar a Páscoa numa carrinha de seis lugares.

Investigações serão feitas também em Portugal e Suíça

As investigações do processo judicial que envolve o proprietário e o condutor da carrinha vão ser estendidas a Portugal e à Suíça, disse esta sexta-feira à agência Lusa uma fonte oficial.

Contactado telefonicamente pela Lusa a partir de Lisboa, Pierre Gagnoud, procurador de Moulins, localidade próxima do local do acidente, disse que, para que o processo judicial possa avançar, terão de ser feitas investigações nos países de partida e de destino da viatura.

Salientando que não pode adiantar mais informações, o procurador francês confirmou a detenção preventiva do condutor, de 19 anos, e do tio, proprietário da carrinha de seis lugares.

Pierre Gagnoud confirmou também as acusações de homicídio e de ferimentos involuntários agravados de que tio e sobrinho estão já formalmente acusados.

O responsável do Ministério Público francês indicou que não pode, para já, adiantar quaisquer outros pormenores sobre a questão, alegando que o caso está sob investigação.