O documentário "Gulîstan, Land of Roses", da cineasta curda Zayne Akyol, é o vencedor do Prémio Doc Alliance 2016, foi anunciado no Festival Internacional de Cinema de Locarno, na Suíça, indicou hoje a organização do Doclisboa.

O filme, "Gulîstan, terra de rosas", em tradução livre, procura dar a perceber os motivos que levaram muitos jovens curdos na diáspora a aliarem-se, na década de 1990, ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em inglês).

Para tal, a realizadora retrata a vida de uma jovem combatente curda, Gulîstan, que morreu aos 25 anos, em confrontos entre o PKK e as forças armadas do Curdistão no Iraque, na fronteira turca-iraquiana.

Zayne Akyol conheceu-a, aos cinco anos, quando imigrou para o Canadá. Gulîstan tinha 18 anos e considerava o irmão, que foi para a Turquia antes dela, para combater com o PKK, um herói.

No documentário, a realizadora relata a longa jornada de Gulîstan, desde o Canadá até às montanhas do Curdistão, para se juntar à luta pelo seu povo. Akyol via-a como uma irmã mais velha. Ambas viviam no mesmo prédio, em Montreal. Ambas eram da mesma vila, na Turquia.

Para a cineasta, não se trata apenas de um filme sobre o papel da mulher na luta curda na Turquia, mas também de uma 'viagem' até à sua terra natal. Zayne Akyol era uma criança quando chegou ao Canadá.

 

 

O documentário foi escolhido para o Prémio Doc Alliance 2016 por um painel de críticos internacionais, que incluiu o português Vasco Câmara.

"Gulîstan, Land of Roses" será exibido, como os restantes filmes a concurso, na edição deste ano do Doclisboa, que decorre de 20 a 30 de outubro.

O Doclisboa, festival de cinema documental, é membro do Doc Alliance desde 2013. Anualmente, os sete festivais membros da organização nomeiam um filme candidato ao Prémio Doc Alliance, bem como um crítico de cinema para fazer parte do júri.

"Talvez deserto, talvez universo", de Karen Akerman e Miguel Seabra Lopes, foi o documentário nomeado pelo Doclisboa para o Prémio Doc Alliance 2016. O filme retrata a Unidade de Internamento de Psiquiatria Forense do Hospital Júlio de Matos, em Lisboa.

O próximo Doclisboa, a decorrer de 20 a 30 de outubro, vai ter como vetores da programação o cinema do realizador britânico Peter Watkins e importância do "documentário ficcionado", assim como o impacto da revolução de Cuba em novas expressões cinematográficas.

Entre as estreias do festival contam-se "Ta'ang", do chinês Wang Bing, sobre mulheres e crianças refugiadas, na fronteira sino-birmanesa, e "Between fences", do israelita Avi Mograbi, filmado no centro de detenção de imigrantes de Holot.