O ministro da Economia foi apanhado de surpresa com a marcação da greve de 10 dias na TAP pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil. Pires de Lima considerou a decisão inexplicável e apelou ao sindicato para reconsidar.

«É evidente que estou surpreendido. Não esperávamos esta posição do sindicato dos pilotos, que contraria aquilo que foi escrito e assinado pelos representantes dos sindicatos dos pilotos na última semana de 2014»


Pires de Lima falava no programa Grande Entrevista, da RTP Informação, em relação à paralisação que terá lugar entre 1 e 10 de maio. 

A greve foi decidida numa assembleia, que contou com a participação de cerca de 500 pilotos da TAP, que mandataram a direção do seu sindicato para emitir um pré-aviso de greve dentro de um dia.

O primeiro-ministro também já reagiu, lamentando e advertindo que o futuro da TAP pode estar em causa. A própria empresa também teme «danos irreparáveis», considerando que os pilotos estão a escolher um «caminho perigoso» e a ir contra o clima de entendimento alcançado recentemente