O ex-presidente do Brasil Lula da Silva mantém a liderança na corrida eleitoral com 37% das intenções de voto, mesmo depois de ter sido condenado por corrupção em segunda instância, segundo a sondagem divulgada pelo Instituto Datafolha, nesta quarta-feira.

O levantamento foi realizado em 29 e 30 de janeiro, dias depois de três juízes do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4), de Porto Alegre, considerarem Lula da Silva culpado dos crimes de corrupção e branqueamento de capitais e aumentarem a sua pena de nove anos e meio para 12 anos e um mês de prisão.

Apesar de liderar a sondagem para as próximas presidenciais, previstas para outubro, a participação do ex-presidente na corrida eleitoral está em risco porque uma legislação eleitoral do país chamada popularmente de "lei da ficha limpa" proíbe a participação em eleições de candidatos condenados em segunda instância.

A pesquisa Datafolha também indicou que num cenário sem Lula da Silva o candidato conservador de direita Jair Bolsonaro lidera com 18% das intenções de voto, seguido da ambientalista Mariana Silva (13%) e do ex-governador Ciro Gomes (10%).

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o apresentador de televisão Luciano Huck aparecem depois, tecnicamente empatados, com 8% das intenções de voto.