O dia começa cedo em Bragança e atrasa-se muito. Porque a visita curta ao Instituto Politécnico transforma-se num encontro com estudantes e professores. E numa cantoria pegada com a tuna académica. Passos Coelho não resiste a um momento musical, e hoje não foi exceção. Ao lado da tuna entoou "amigos para sempre", na voz grave que o carateriza (para barítono, como ele próprio classifica a sua voz era preciso elasticidade nos agudos). Mas músicas à parte, enquanto o primeiro-ministro cantava, já em Macedo de Cavaleiros, os militantes o aguardavam.

Passos só chega 2 horas depois. Ninguém arredou pé, é certo, mas a visita à Santa Casa da Misericórdia ficou comprometida, porque em Mirandela havia um almoço com cerca de 800 apoiantes - num espaço pequeno para tanta euforia.

 


Não fez a visita, mas lançou um apelo aos militantes, que irá repetir no almoço. "A maratona Portugal à Frente não começou agora. Começou há 4 anos. Apesar dos bons resultados que vamos conseguindo isto é para continuar. É uma corrida de fundo e por isso precisamos de contar convosco". 

É uma espécie de espalhem a palavra:  "É preciso falar com quem está indeciso", pediu. "É preciso convencê-los: há quem ainda esteja a pensar... " 

No almoço dirá o mesmo, mas com mais graça:

 

"Durante algum tempo ficou-se com a ideia de que quem estivesse de acordo com o Governo era uma espécie de bicho esquisito. Alguma coisa que não era normal - e quanta gente no seu silêncio, a pensar consigo própria, não se terá perguntado que mal tem continuar a apostar naquilo que deu resultado?

Não era muito mais estranho pensar como é que alguém quer apostar numa hipótese que já provou no passado que estava errada?".


Agora, continua embalado , "as pessoas estão mais descansadas porque afinal aquilo que pensavam consigo próprias era afinal o que pensava a maioria de Portugal".

E, por falar, em maioria, de forma clara, hoje, em Macedo, ao pé da Santa Casa da Misericórdia, os militantes entoaram três vezes: "Maioria absoluta, maioria absoluta, maioria absoluta".

Passos sorriu mas ainda é cedo: afinal, não comenta sondagens, não pensa em sondagens, mas leva a campanha em crescendo. As pessoas "desinibem-se agora com mais facilidade" e dizem o que pensam. Também o líder da coligação se desinibe e diz o que pensa: