Portugal tem quase quatro milhões de quilómetros quadrados de território marítimo sob sua jurisdição. Mas será que o país está a aproveitar as oportunidades de emprego que o mar lhe oferece ou continua de costas voltadas para o mar?

 

A soberania do país estende-se a uma área que supera em 40 vezes o território nacional acima do nível da água. Uma área maior do que a índia e quase tão grande como a da União Europeia, mas vazia de embarcações com pavilhão português, por exemplo.

 

 

As oportunidades profissionais que o mar dá (Vídeo)

As praias portuguesas batem aos pontos praticamente todas as concorrentes da Europa. E os prémios renovam-se, sobretudo em relação a várias praias do Algarve.

 

Uma delas é a praia de Benagil, em Lagoa, apontada pelo jornal inglês “The Guardian” como uma das dez maravilhas naturais do mundo.

 

De Benagil a Albufeira são apenas 30 quilómetros. A praia dos Arrifes foi eleita a melhor de Portugal no que toca à qualidade da água. A maioria dos banhistas desconhece o prémio, mas reconhece a beleza natural. 

 

De formação rochosa ou com dunas, o que é certo é que as  praias algarvias são cada vez mais premiadas. Também aqui está a praia mais bonita do mundo, a Dona Ana, em Lagos.  

 

Conheça as praias premiadas do Algarve (Vídeo)

 

A pesca em alto mar fez de Peniche um dos principais portos portugueses, mas atualmente as ondas que dão à costa são o principal motor da economia local. De vila piscatória, Peniche transformou-se em capital do surf e o mar dos pescadores movimenta agora milhões em cada onda dos surfistas.

 

Peniche, de vila piscatória a capital do surf (Vídeo)

O território marítimo português debate-se com escassez de peixe e a alternativa encontrada pelo homem é a aquacultura.

 

Uma maternidade de linguado na Póvoa de Varzim permite produzir quase um milhão de peixes por ano. O linguado reproduz-se em água do mar e leva dois anos até ficar pronto para comercializar.

 

Viveiro de Linguados na Póvoa do Varzim (Vídeo) 

Augusto da Paz tem viveiros de ameijoa junto à Ilha da Armona, em Olhão, no Algarve. Um bivalve que pode demorar 18 meses a atingir o tamanho certo.

 

Os viveiros de bivalves no Algarve (Vídeo)