A Tunísia lança no domingo uma campanha, dirigida sobretudo aos jovens, para tentar conter o extremismo religioso que tem aumentado no país e levado milhares deles a aderirem a organizações como o autoproclamado Estado Islâmico (EI).

O país foi atingido por quatro grandes atentados no último ano, todos cometidos por jihadistas tunisinos. Analistas consultados pela agência AFP reclamam uma aproximação global contra o terrorismo, que é religioso, mas também social, económico e político.

A campanha, que deve durar um ano, visa propagar “os verdadeiros valores do Islão (…) moderado”, a fim de “proteger os jovens e o seu pensamento do terrorismo”, afirmou o Ministério dos Assuntos Religiosos.