O italiano Massimiliano Natalucci escapou, na sexta-feira, apenas com escoriações numa perna, aos atentados terroristas em Paris, 30 anos depois de ter sobrevivido à tragédia de Heysel, noticia o jornal Corriere Adriatico, neste sábdo.

A 29 de maio de 1985, Natalucci era um jovem adepto da Juventus, com 15 anos, que assistia com o pai e o tio à final da Taça dos Campeões Europeus de futebol, frente ao Liverpool, que ficou marcada pela morte por esmagamento de 39 pessoas, maioritariamente italianas, depois de terem sido atacadas por adeptos ingleses.

Pouco mais de 30 anos depois de Heysel, Natalucci escapou a um acontecimento ainda mais mortífero, na sala de espetáculos Bataclan, em Paris, onde morreram mais de 80 pessoas, vítimas de um ataque desencadeado por quatro terroristas.

O grupo extremista autodenominado Estado Islâmico reivindicou já, em comunicado, os atentados de sexta-feira em Paris, que causaram pelo menos 128 mortos, entre os quais um português, e 300 feridos, 80 em estado grave.

Oito terroristas, sete deles suicidas, que usaram cintos com explosivos, para levar a cabo os atentados, morreram, segundo fontes policiais francesas.

Os ataques ocorreram em pelo menos seis locais diferentes da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e o Estádio de França, onde decorria um jogo de futebol, entre as seleções de França e da Alemanha.

A França decretou o estado de emergência e restabeleceu o controlo de fronteiras, na sequência daquilo a que o Presidente François Hollande classificou como “ ataques terroristas sem precedentes no país”.