Portugal vai participar na formação de tropas iraquianas contra os jihadistas do autoproclamado Estado Islâmico. O jornal «Público» dá conta do envolvimento de efetivos do exército português, na preparação das formas armadas locais, com a luz verde das hierarquias militares e do Governo português.

Segundo a mesma notícia, os militares envolvidos serão menos de uma centena. A opção marca uma nova fase na posição de Portugal contra o jihadismo, uma vez que, até agora, tem ficado apenas pela diplomacia e pelo apoio humanitário. Até ao momento, Lisboa canalizou 230 mil euros para esse fim.
.
A possibilidade da participação portuguesa no treino de militares iraquianos surge na sequência de uma reunião da coligação internacional contra o Estado Islâmico, que aconteceu no início deste mês, em Bruxelas. 

O tema vai ser debatido na próxima terça-feira, no encontro do Conselho Superior de Defesa Nacional. 

Quanto ao possível regresso de alguns combatentes, as alterações à legislação portuguesa terão por base resolução da ONU aprovada por unanimidade, que se destina a prevenir o movimento de grupos terroristas mediante um controlo apertado das fronteiras.

Só no mês de novembro, os ataques de jihadistas mataram mais de 5.000 pessoas em várias partes do mundo, mostrando que o extremismo islâmico está «mais forte do que nunca», segundo um relatório conjunto do Serviço Mundial da BBC e do Centro Internacional para o Estudo da Radicalização.