Mário Centeno está disponível para ser ministro das Finanças de um Governo PS, assumiu o próprio na quarta-feira, tal como a  TVI tinha já anunciado.
 
“A minha disponibilidade para participar nesta aventura intelectual, de debate publico e de pensar as alternativas para a economia portuguesa pode ter esse espaço neste momento. Está livre para isso? Exato”, afirmou o economista e deputado socialista, em entrevista à RTP.
 
Apesar de reconhecer que a carga fiscal sobre as famílias é excessiva, Mário Centeno não exclui, no entanto, a possibilidade de quem ganha mais pagar mais IRS.
 
“Não queremos aumentar a carga fiscal ao conjunto das famílias em Portugal, mas, se estivermos a falar de uma significativa redistribuição por essa via… não há absolutamente nenhuma decisão sobre essa matéria”, disse.
 

“Nós achamos que a fiscalidade em Portugal está muito elevada para todos os portugueses que trabalham e que vivem dos seus rendimentos do trabalho e, seguramente, vamos olhar para essa questão com muita seriedade e tranquilidade.»

 
O economista, que liderou o grupo que trabalhou o Cenário Macroeconómico que serviu de base ao programa eleitoral do Partido Socialista, adiantou, ainda, que o objetivo do Governo PS “não é” aumentar impostos.