O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, disse, esta segunda-feira, que pretende rever os benefícios fiscais atribuídos aos deputados e ministros, quando prosseguem as negociações entre Atenas e os credores sobre um terceiro plano de ajuda.

“Quando está na mesa das negociações a questão da supressão dos benefícios fiscais dos agricultores, não podemos ficar indiferentes em relação às nossas próprias vantagens”, sublinhou Tsipras à saída de uma reunião com o ministro-adjunto da Reforma administrativa, Christoforos Vernadakis, e o ministro-adjunto das Finanças, Dimitris Mardas.

“É uma iniciativa política que não tem apenas por objetivo garantir economias, mas também possui um significado simbólico”, acrescentou o primeiro-ministro grego.


Segundo a agência noticiosa grega ANA, o projeto-lei em preparação prevê a uma redução substancial dos subsídios atribuídos aos deputados, e ainda uma baixa de 15% nos salários dos ministros. Os diretores dos organismos públicos também devem ser abrangidos por esta reforma.

Após terem prosseguido durante todo o fim de semana, as discussões entre Atenas e os credores sobre um terceiro plano de resgate à Grécia recomeçaram esta manhã.

O Governo grego pretende que o texto do acordo seja votado pelos deputados na quinta-feira, para que seja apresentado no dia seguinte aos ministros das Finanças da zona euro (Eurogrupo).

Este cenário, caso se concretize, permitiria a entrada em vigor do novo plano de ajustamento antes de 20 de agosto, data em que a Grécia deve proceder a mais um reembolso ao Banco central europeu (BCE) no montante de 3,4 mil milhões de euros.