O CaixaBank reforçou a sua posição no BPI, passando a deter 93,462% do capital social e 93,472% dos direitos de voto no banco, foi hoje anunciado em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O CaixaBank (…) vem por este meio comunicar que, no passado dia 07 de maio de 2018 e em virtude da aquisição à Allianz Europe Ltd. e à Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A. de 122.744.370 ações ordinárias do Banco BPI, S.A. fora de mercado regulamentado, passou a deter uma participação qualificada direta (e igualmente uma posição económica longa) correspondente a 1.353.995.066 ações, representativas de 92,935% do capital social do BPI e de 92,945% dos direitos de voto”, lê-se no comunicado.

No mesmo dia, o CaixaBank adquiriu, em mercado regulamentado, 7.678.947 ações do BPI.

Na sequência destas aquisições, o CaixaBank passou a deter 1.361.674.013 ações, representativas de 93,462% do capital social e de 93,472% dos direitos de voto no BPI.

No domingo, o CaixaBank revelou que vai requerer a retirada do banco BPI de bolsa, depois de ter acordado comprar ao grupo Allianz mais 8,425% do capital social, ficando assim com 92,935% do capital da instituição.

O grupo espanhol informou, em comunicado, que “o preço total da aquisição é 177.979.336,50 euros, o que corresponde a 1,45 euros por ação do banco”.

Caso a retirada de bolsa do BPI seja aprovada pela assembleia-geral e pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), em cumprimento das regras do mercado, o CaixaBank propõe-se adquirir as restantes ações por si não detidas, oferecendo os mesmos 1,45 euros por ação.

Na segunda-feira, as ações do BPI fecharam a subir 22,67%, para 1,45 euros, o mesmo valor que o CaixaBank oferece para retirar a instituição da bolsa.

Nessão sessão bolsista, mudaram de mãos quase 13 milhões de ações (12,8 milhões), mais do que o total de títulos do banco transacionados desde o início deste ano (cerca de 12,2 milhões).

Em 10 de fevereiro de 2017, o BPI deixou de integrar o principal índice da bolsa portuguesa (PSI20), depois de o CaixaBank ter ficado com 84,5% no capital do banco no âmbito de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA), tendo-se mantido no índice geral.