Os líderes da Alemanha e França não conseguiram convencer o presidente da Rússia, Vladimir Putin, no sentido de um acordo para resolver a crise no leste da Ucrânia, na reunião que tiveram esta sexta-feira, em Moscovo.

Nem Angela Merkel, nem François Hollande, nem Vladimir Putin disseram uma palavra no final do encontro.

Só o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov que, segundo a Reuters, que a conversa foi «construtiva».

Ficou a promessa de continuarem a trabalhar no sentido de um possível documento conjunto sobre a implementação de um acordo de cessar-fogo, mas depois de mais de cinco horas de conversações, não houve decisões efetivas.

Os três líderes  vão voltar a conversar, em princípio por telefone, no domingo.

Antes da reunião, a chanceler alemã Angela Merkel  não tinha garantido que o encontro pudesse trazer um derradeiro acordo que vise o fim da crise no leste ucraniano.

Na quinta-feira, François Hollande afirmou que um acordo passaria sempre pela «integridade do território ucraniano» e esta sexta-feira, Merkel reafirmou esta posição, assegurando que o acordo de Minsk, estabelecido em setembro, teria de ser tido em conta. 

O objetivo é obter um cessar-fogo, o que será apenas um primeiro passo para acabar com a crise e que, por si só, não é o suficiente para que a paz seja restabelecida, lembrou o presidente francês.

O primeiro acordo de cessar-fogo na Ucrânia foi alcançado a 5 de setembro de 2014. Cinco meses depois, já houve mais recuos do que avanços e o conflito continua.