O festival Caminhos do Cinema Português, que se realiza em novembro em Coimbra, atingiu nesta edição um recorde de submissões às secções competitivas, com um total de 1.126 filmes candidatos, entre longas, curtas e películas realizadas em âmbito escolar.

A 21ª edição do festival Caminhos do Cinema Português, que decorre de 27 de novembro a 5 de dezembro, recebeu um total de 1.126 submissões de filmes candidatos, disse à agência Lusa Fernando Oliveira, membro da organização do festival.

A novidade deste ano, a criação de uma nova secção competitiva, Ensaios Internacionais (filmes estrangeiros criados em contexto académico), acaba por representar cerca de 75% do total de candidaturas, com 858 submissões de diversos países, como Irão, Israel, Estados Unidos, Brasil, Rússia, Reino Unido, Espanha ou Argentina.

A organização do festival decidiu avançar com a nova secção competitiva para "levar o nome do Caminhos a outros países e a mostrar jovens criadores que, daqui a alguns anos, se podem tornar importantes no panorama do cinema mundial", sublinhou Fernando Oliveira.

A fase de entrega de candidaturas terminou no final de setembro e contou com 182 submissões para a secção principal de competição do Caminhos e 85 candidaturas na secção Ensaios Nacionais, referiu.

Devido ao aumento "substancial" do número de submissões face a anos anteriores, a organização procura agora trabalhar "para aumentar o número de filmes exibidos", sendo que nos últimos anos têm-se registado pouco mais de uma centena de filmes por edição, explanou o membro da organização.

Na secção competitiva Caminhos, são exibidos normalmente cerca de 70 filmes, na forma de longas, curtas, documentário e animação.

Este ano, o festival realiza-se de 27 a 29 de novembro no Conservatório de Música de Coimbra e os restantes dias do evento decorrem no Teatro Académico de Gil Vicente.

Na edição de 2014, o documentário "Para-me de repente o pensamento", do realizador e repórter de imagem Jorge Pelicano, venceu o Grande Prémio do festival.

O prémio Curta-Metragem foi para a película de Luís Vieira Campos, "Bicicleta", o realizador João Canijo recebeu o prémio Longa-Metragem e "E agora? Lembra-me", de Joaquim Pinto, ganhou o galardão de Melhor Documentário