A OPA anunciada pelo CaixaBank sobre as ações do BPI que ainda não controla, que ascende a 900 milhões de euros, é "altamente positiva" para o setor e para a economia portuguesa, segundo Fernando Ulrich, líder do banco português.

É um privilégio para o BPI e para Portugal que uma instituição deste gabarito tenha lançado esta operação [Oferta Pública de Aquisição]. Isso é altamente positivo para o sistema financeiro e para a economia portuguesa", lançou o gestor durante a conferência de imprensa de apresentação das contas do primeiro trimestre, que hoje se realizou em Lisboa.

"O CaixaBank, que é o maior acionista do BPI [controlando 44,1% do capital], apresentou uma oferta que a ser concretizada corresponde a um investimento de 900 milhões de euros, que é um investimento muito significativo", salientou Ulrich, vincando que o grupo catalão "é uma das maiores instituições financeiras na Europa e a maior em Espanha" e uma "instituição altamente prestigiada".

Questionado pelos jornalistas sobre o preço oferecido pelo CaixaBank (1,113 euros por ação) na OPA anunciada a 18 de abril, Ulrich jogou à defesa.

"Estas operações têm regras e obviamente que nós cumprimos essas regras. No momento apropriado o Conselho de Administração do BPI vai-se pronunciar sobre a oferta do CaixaBank, por isso não vou fazer nenhum comentário", realçou.