A presidente da Reserva Federal (Fed) dos Estados Unidos, Janet Yellen, considerou hoje que os sinais de abrandamento da economia norte-americana registados nas últimas semanas podem ser, em parte, consequência do inverno rigoroso.

Durante uma audição em comissão no Congresso, em Washington, Yellen referiu um abrandamento do consumo «desde há seis semanas, um mês» e também indicadores mais fracos em relação ao mercado de emprego e ao imobiliário.

«Uma parte deste abrandamento reflete sem dúvida as condições meteorológicas desfavoráveis, mas nesta fase é difícil perceber exatamente o que motiva estes dados», declarou.

Yellen afirmou que é preciso haver «uma mudança significativa» das perspetivas económicas para que o banco central norte-americano decida fazer uma pausa na redução parcial dos estímulos à economia.

«Nas próximas semanas, vamos estar muito atentos aos sinais para ver se a retoma está a decorrer como previsto», disse Yellen.

«Eu não gostaria de tirar conclusões precipitadas», acrescentou.

Confiante na recuperação da economia norte-americana, a Fed começou em dezembro a reduzir progressivamente as injeções de liquidez no sistema financeiro, que estão atualmente nos 65 mil milhões de dólares por mês.

Janet Yellen assumiu a presidência do banco central norte-americano a 1 de fevereiro.