O deputado europeu socialista Francisco Assis disse que é «inaceitável e escandaloso» que o Norte do país «assista impávido e sereno» à ausência de regionalização.

«É inaceitável e escandaloso que o Norte de Portugal vá assistindo impávido e sereno a uma situação que não se pode aguentar por muito mais tempo», afirmou, sublinhado estar na hora de «retomar, como objetivo, a questão da regionalização do país».

Assis discursava perante dezenas de dirigentes socialistas e autarcas do norte de Portugal e da Galiza que hoje se reuniram em Amarante para discutirem o futuro das duas regiões ibéricas.

O eurodeputado português insistiu ser «absolutamente fundamental» o PS dar passos «no sentido da consagração de qualquer instância regional».

«Evidentemente, é isso que nos falta, não no sentido de garantirmos uma maior distribuição do investimento público, mas para criarmos condições para dinamizar, para tomar decisões políticas que dinamizem e deem uma verdadeira dimensão prática e positiva às várias energias que existem na nossa região», acentuou.

O deputado europeu recordou o progresso da Galiza num contexto de descentralização com o processo de democratização em Espanha, em contraste com o que considerou ser «dos poucos falhanços da democracia portuguesa».

«Nós não ganhamos algumas batalhas fundamentais do desenvolvimento. (…) Temos alguns buracos negros e o que se passa na região Norte é uma coisa dessas», observou.

Para Assis, Portugal deve «fazer uma profunda reforma administrativa e do sistema político».

«O encontro com a Galiza é também um momento para nós pensarmos a necessidade nos reformularmos, até para podermos ser um parceiro em melhores condições com a Galiza e aproveitar melhor a eurorregião», apontou.

Ouvido pelo líder socialista na Galiza, José Ramon Gómez Besteiro, e pelo eurodeputado espanhol José Blanco Lopez, Assis considerou também que o Norte de Portugal e aquela região espanhola vivem hoje «um novo relacionamento que se deve projetar no mundo», sobretudo na América Latina.

«Isso implica um relacionamento político ao mais alto nível», frisou, assumindo o interesse nessa aproximação das estruturas socialistas dos dois lados da fronteira.