O PSD/Madeira criticou esta terça-feira a falta de disponibilidade do primeiro-ministro para visitar a «Nação Madeirense» e ter «encontrado tempo» para uma visita oficial a Cabo Verde, segundo avança a agência Lusa.

Numa intervenção antes da ordem do dia no plenário da Assembleia Legislativa da Madeira, o deputado social-democrata, Gabriel Drumond, afirmou que «a Nação Madeirense durante quatro anos foi roubada, espoliada e perseguida pelo primeiro-ministro de Portugal».

Este parlamentar falou sobre «os quatro anos perdidos para este governo de Portugal», classificando-os como «um desastre de governação que se abateu sobre este Portugal desgraçado».

Apontou que as reformas encetadas pelo executivo nacional «redundaram em trapalhadas de mau gosto, porque não houve projecto político».

«A sorte da Madeira é que José Sócrates é só primeiro-ministro de Portugal Continental e dos Açores, já que a Nação Madeirense já não faz parte do Portugal do Minho ao Algarve, dos Açores à Madeira», disse.

Gabriel Drumond concordou com a opinião do empresário Belmiro Azevedo, que Portugal no seu aspecto governativo «está cada vez mais parecido com um país africano».

«Não é de admirar que Portugal se pareça com um governo africano em virtude de termos um primeiro-ministro que só é comparável a alguns governantes africanos», opinou.

Segundo Gabriel Drumond, «por obra de José Sócrates a utopia do Estado unitário acabou», defendendo que a Madeira «deve lutar por todos os meios para que na próxima revisão constitucional seja concretizado o que já existe na prática, o estado regional».

Carlos Pereira do PS, protestou contra a «autonomia esquizofrénica» protagonizada pelo PSD/M.

No plenário da ALM, a maioria do PSD/M rejeitou um voto de protesto do PCP contra o «desrespeito pelos deputados que foram impedidos de visitar o Hospital Central do Funchal», situação que os deputados da oposição consideraram «uma violação do Estatuto da região».

Chumbado foi também o projecto de decreto legislativo regional da autoria do PS/M que visava uma reformulação total do «estatuto da carreira docente» da região.