Professor de Sócrates explica exame polémico

Disse que a disciplina não estava prevista no plano curricular e que o exame foi realizado unicamente ao aluno José Sócrates

Por: tvi24 / SM    |   29 de Março de 2012 às 23:57
O tribunal ouviu esta quinta-feira António Morais, antigo professor na universidade, que foi interrogado sobre a licenciatura de José Sócrates.

Estão a ser julgados dezenas de arguidos, acusados de um vasto conjunto de irregularidades que conduziram ao encerramento da Universidade Independente.

O professor de quatro das cinco cadeiras que ex-primeiro ministro explicou por que razão preencheu parte do boletim de matricula do ex-primeiro-ministro.

António morais, o professor de quatro das cinco cadeiras feitas por José Sócrates, e à data diretor do curso de Engenharia Civil, disse ao coletivo de juízes que foi contra o polémico exame de inglês técnico feito pelo ex-primeiro-ministro.

Explicou que a disciplina não estava prevista no plano curricular elaborado para aquele grupo de alunos, e que foi, já no final do ano, por insistência de Eurico Calado, professor da cadeira, que o exame foi realizado unicamente ao aluno José Sócrates.

O antigo diretor de curso teve ainda de explicar ao coletivo de juízes por que razão parte do cabeçalho de boletim de matrícula do ex-primeiro ministro estava preenchido com a letra de António Morais. A falta de memória foi a resposta dada.

António morais, professor das quatro das cinco cadeiras feitas por José Sócrates nega tido ligações ao ex-primeiro-ministro e diz mesmo tratar-se de um cabala contra José Sócrates.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Professor de Sócrates explica exame polémico
Professor de Sócrates explica exame polémico

COMENTÁRIOS

PUB
​BES: Banco Nacional de Angola tirou garantia ao BESA dois dias antes da resolução

A TVI apurou que a retirada da garantia estatal foi comunicada pelo BNA à filial angolana do BES. Banco de Portugal e Ricardo Salgado têm visões diferentes. A garantia em causa, que perdeu validade a 01 de agosto, tinha sido assinada pelo ministro das Finanças e seguia-se a uma ordem do Presidente José Eduardo dos Santos, que prestava ao BESA uma garantia soberana irrevogável no valor de 5,7 mil milhões de dólares.