logotipo tvi24

Professor de Sócrates explica exame polémico

Disse que a disciplina não estava prevista no plano curricular e que o exame foi realizado unicamente ao aluno José Sócrates

Por: tvi24 / SM    |   2012-03-29 23:57

O tribunal ouviu esta quinta-feira António Morais, antigo professor na universidade, que foi interrogado sobre a licenciatura de José Sócrates.

Estão a ser julgados dezenas de arguidos, acusados de um vasto conjunto de irregularidades que conduziram ao encerramento da Universidade Independente.

O professor de quatro das cinco cadeiras que ex-primeiro ministro explicou por que razão preencheu parte do boletim de matricula do ex-primeiro-ministro.

António morais, o professor de quatro das cinco cadeiras feitas por José Sócrates, e à data diretor do curso de Engenharia Civil, disse ao coletivo de juízes que foi contra o polémico exame de inglês técnico feito pelo ex-primeiro-ministro.

Explicou que a disciplina não estava prevista no plano curricular elaborado para aquele grupo de alunos, e que foi, já no final do ano, por insistência de Eurico Calado, professor da cadeira, que o exame foi realizado unicamente ao aluno José Sócrates.

O antigo diretor de curso teve ainda de explicar ao coletivo de juízes por que razão parte do cabeçalho de boletim de matrícula do ex-primeiro ministro estava preenchido com a letra de António Morais. A falta de memória foi a resposta dada.

António morais, professor das quatro das cinco cadeiras feitas por José Sócrates nega tido ligações ao ex-primeiro-ministro e diz mesmo tratar-se de um cabala contra José Sócrates.

Partilhar
EM BAIXO: Professor de Sócrates explica exame polémico
Professor de Sócrates explica exame polémico

Governo de acordo com Cavaco Silva em repor os «níveis de bem-estar»
O ministro da Presidência, Luís Marques Guedes, afirmou que o executivo está empenhado em «retomar uma trajetória de crescimento»
De a Administração Pública não lhe responder vai ser castigada
Paula Teixeira da Cruz considerou que as alterações aprovadas constituem «um pilar essencial da reforma do Estado» e vão «revolucionar» a AP
No Parlamento devem falar «os eleitos do povo»
Ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares pronunciou-se a propósito da polémica com os capitães de abril