Professor de Sócrates explica exame polémico

Disse que a disciplina não estava prevista no plano curricular e que o exame foi realizado unicamente ao aluno José Sócrates

Por: tvi24 / SM    |   29 de Março de 2012 às 23:57
O tribunal ouviu esta quinta-feira António Morais, antigo professor na universidade, que foi interrogado sobre a licenciatura de José Sócrates.

Estão a ser julgados dezenas de arguidos, acusados de um vasto conjunto de irregularidades que conduziram ao encerramento da Universidade Independente.

O professor de quatro das cinco cadeiras que ex-primeiro ministro explicou por que razão preencheu parte do boletim de matricula do ex-primeiro-ministro.

António morais, o professor de quatro das cinco cadeiras feitas por José Sócrates, e à data diretor do curso de Engenharia Civil, disse ao coletivo de juízes que foi contra o polémico exame de inglês técnico feito pelo ex-primeiro-ministro.

Explicou que a disciplina não estava prevista no plano curricular elaborado para aquele grupo de alunos, e que foi, já no final do ano, por insistência de Eurico Calado, professor da cadeira, que o exame foi realizado unicamente ao aluno José Sócrates.

O antigo diretor de curso teve ainda de explicar ao coletivo de juízes por que razão parte do cabeçalho de boletim de matrícula do ex-primeiro ministro estava preenchido com a letra de António Morais. A falta de memória foi a resposta dada.

António morais, professor das quatro das cinco cadeiras feitas por José Sócrates nega tido ligações ao ex-primeiro-ministro e diz mesmo tratar-se de um cabala contra José Sócrates.
PUB
EM BAIXO: Professor de Sócrates explica exame polémico
Professor de Sócrates explica exame polémico

COMENTÁRIOS

PUB
Grécia: o dia que pode decidir o futuro do projeto europeu

Cerca de 10 milhões de gregos decidem hoje se aceitam ou não as propostas apresentadas pelos credores há mais de uma semana, através de um referendo convocado por Alexis Tsipras. As urnas fecham às 19:00 (17:00 em Lisboa). O caos estendeu-se às sondagens que, espelhando um país dividido, não deixam antecipar nenhum resultado. O boletim tem apenas duas respostas, "Sim" ou "Não", mas o que vai acontecer à Grécia depois do dia de hoje conduz-nos a múltiplos cenários