A taxa de desemprego no conjunto da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) diminuiu uma décima em dezembro último, para 7,1% da população ativa, foi hoje anunciado.

Em dezembro último, o desemprego desceu duas décimas nos Estados Unidos, para 5,6%, e uma décima na zona euro, para 11,4%, e no Japão para 3,4%, segundo o comunicado da OCDE.

No seio da zona euro, as maiores descidas foram registadas em Itália (quatro décimas para 12,9%) e Irlanda (duas décimas para 10,5%).

Também houve decréscimo de uma décima em Portugal, para 13,4%, em Espanha, para 23,7% e na Alemanha, para 4,8%.

Em sentido contrário, a taxa de desemprego aumentou duas décimas na Holanda, para 6,7% e manteve-se inalterada em França, em 10,3% e na Finlândia, em 8,9%.

Fora da Europa, a maior descida do desemprego ocorreu no México, onde caiu quatro décimas para 4,3%.

As taxas de desemprego mais elevadas são as da Grécia (25,8% segundo o último dado disponível que é de outubro), Espanha (23,7% e Portugal (13,4%).

No final de 2014, nos 34 países da OCDE havia 43 milhões de pessoas desempregadas, manos 6,7 milhões que no 'pico' de abril de 2010, mas ainda mais 8,6 milhões que em julho de 2008, antes de se fazerem sentir os efeitos da crise financeira.