O presidente da TAP defende que “nenhuma decisão é irreversível”, pelo que deixa em cima da mesa a possibilidade de a suspensão de quatro rotas do Porto para capitais europeias possa vir a ser alterada no futuro. 

“O mais importante de tudo é mostrarmos de que maneira é que nós achamos que o Porto ficará melhor servido. A ponte aérea vai trazer novos benefícios e novas ligações ao Porto, a nossa visão é a de que o Porto fica muito melhor conectado à Europa, ao Brasil, aos Estados Unidos e à África”, começou por dizer Fernando Pinto aos jornalistas, no Porto, no final de uma reunião com a direção do Conselho Metropolitano do Porto. 

A reunião foi pedida pelos autarcas da Área Metropolitana do Porto, no final de janeiro, com o objetivo de objetivo de abordar com a TAP este assunto que tem gerado polémica. Os voos em causa, são de resto, as ligações diretas do Porto para Milão, Roma, Bruxelas e Barcelona. Mas, diz o próprio Fernando Pinto, “nenhuma decisão é irreversível”.

A TAP continua “a analisar mercados” e que a cada seis meses tem de tomar “decisões importantes”, no âmbito da definição do horário de verão e do horário de inverno.

Fernando Pinto não disse, contudo, se estes quatro voos que são suspensos a partir do dia 27 serão repostos no horário de inverno, mas referiu que a TAP vai “procurar ajustar” a ligação noturna direta de Londres (Gatwick), que a Câmara do Porto disse que será reduzida.

Com a ponte aérea, o Porto terá diariamente “vários destinos”, quer para a Europa como para o Brasil, por exemplo. O presidente da TAP deu a garantia de que os voos intercontinentais de e para o Porto não vão ser suspensos.

“O serviço é melhor, não temos dúvida, desde que siga o que está previsto ser feito”, disse, reafirmando que a existência de voos “de hora em hora nas duas direções" permitirá uma maior "facilidade de passagem pelos aeroportos e um “sistema de ligações também muito mais fácil”.

 “A respeita muito o mercado do Porto e o Porto é muito importante para a TAP. A TAP precisa do Porto e temos a certeza de que o Porto também precisa da TAP, não tenho duvida nenhuma disso””

Fica a promessa de transportadora “servir bem” a região. “A TAP precisa do Porto e temos a certeza de que o Porto também precisa da TAP, não tenho duvida nenhuma disso”, frisou.

Fernando Pinto entende que “há alguma desinformação em volta do que é a estratégia da empresa”, afirmando que a TAP tem “procurado manter a comunidade informada” e vai continuar a fazê-lo.