Um magnata vietnamita, que chegou a ser um dos mais poderosos do país, foi esta segunda-feira condenado a 30 anos de prisão na sequência de um escândalo que abalou a banca.

«O acusado não foi honesto, pelo que lhe deve ser aplicada uma pena pesada, em conformidade com o crime que cometeu», disse o presidente do tribunal de Hanoi, Nguyen Huu Chinh, ao fim de um julgamento de duas semanas, citado pela Lusa.

Nguyen Duc Kien, 50 anos, que se declarou inocente, foi condenado à pena máxima prevista para os crimes de fraude, evasão fiscal e atividades económicas ilegais, bem como ao pagamento de uma multa de 75 mil milhões de dongs (2,5 milhões de euros).

O ex-banqueiro foi julgado com mais sete ex-altos responsáveis do Asia Commercial Bank (ACB), um dos maiores bancos vietnamitas, os quais foram condenados a penas de entre dois a oito anos de cadeia.

Segundo a acusação, o Nguyen Duc Kien e os seus cúmplices causaram prejuízos à banca na ordem de 67 milhões de dólares, com depósitos bancários ilegais e investimentos no mercado bolsista.

Kien, que era considerado uma figura próxima do primeiro-ministro vietnamita, Nguyen Tan Dung, foi detido em agosto de 2012, numa ação que abalou o setor bancário do país.