O secretário de Estado adjunto, Carlos Moedas, garantek em entrevista ao DN/TSF, que está muitas vezes em desacordo com a troika mas não faz alarido disso. «Gostava de dizer que há esta ideia errada de que o Governo estava sempre de acordo com a troika. Não é verdade. Estamos muitas vezes em desacordo com a troika. Faço saber e luto por isso, mas não ando a gritar publicamente. Trabalho com a troika para conseguir resolver esses diferendos».

Carlos Moedas dá como exemplo os salários: o FMI defende que devem baixar ainda mais mas o Governo está contra.

Nesta entrevista, o governante refere-se à entrada de Paulo Portas na equipa como tendo sido «uma mais-valia» pela sua «experiência e pragmatismo». E sobre o guião para a reforma do Estado, elogiou-o, dizendo que devia «ser lido por todos».