As vendas da Nestlé Portugal S.A. cresceram 1,2% em 2015, face ao ano anterior, para 466,7 milhões de euros, disse esta segunda-feira o diretor-geral da Nestlé Portugal, Jordi Llach, destacando ainda que foram investidos 17,2 milhões de euros.

“O ano de 2015 foi positivo para a Nestlé Portugal. O consumo das famílias começou a melhorar a partir do segundo semestre de 2015 e este ano começou ainda mais positivo e vai melhorar”, explicou o novo diretor-geral da Nestlé Portugal num encontro com jornalistas, em Lisboa, onde abordou temas como a estratégia e o desempenho da companhia que está há 93 anos no país.

A Nestlé Portugal fez “uma forte aposta em inovação” que pôs em prática ao longo de 2015 nas diversas marcas dos produtos que vende.

“Em 2015 investimos 17,2 milhões de euros [+4,2% face a igual período do ano anterior]. No final de 2016 esperamos manter este nível de investimento no país. E nos últimos cinco anos o investimento atingiu os 82 milhões de euros”, disse o gestor, lembrando que as exportações da Nestlé Portugal se situaram nos 17% do volume global de negócios, isto é, nos 78 milhões de euros.

Os produtos exportados em 2015 pela Nestlé Portugal tiveram como destino 36 países, sendo que 76% das vendas ao estrangeiro se concentraram em 10 deles: Espanha, Grécia, Angola, Itália, França, Cabo Verde, Ucrânia, Rússia, Emirados Árabes Unidos e Roménia.

A Europa absorveu 71% do total exportado e a África 11%, sendo que leite em pó, farinhas lácteas, cereais, cafés torrados, cafés solúveis e bebidas de cereais foram os produtos mais vendidos ao estrangeiro.

As vendas da Nestlé Portugal no mercado nacional totalizaram 388,4 milhões de euros, tendo aumentado ligeiramente, suportadas sobretudo pelo negócio no âmbito do café e dos cereais (produtos Cerelac e Nestum) e por uma “forte aposta em inovação”, que teve um peso de 19% no volume global de negócios no ano passado.

Na Nestlé Portugal trabalham 1.732 pessoas.

Oito milhões investidos na melhoria das três fábricas em Portugal

A multinacional suíça Nestlé, o maior fabricante de alimentar mundial, investiu 8,1 milhões de euros em 2015 na melhoria das três fábricas em Portugal, disse também esta segunda-feira o diretor-geral da Nestlé Portugal, Jordi Llach.

O investimento global realizado pela Nestlé na sua operação em Portugal foi de 17,2 milhões de euros em 2015, dos quais 8,1 milhões de euros na “melhoria das três fábricas, a de papas e cereais de pequeno-almoço em Avanca, a do Porto, de torrefação de cafés, e a dos Açores, de leite em pó”, disse o novo diretor-geral da Nestlé Portugal num encontro com jornalistas, em Lisboa, onde abordou temas como a estratégia e o desempenho da companhia que está há 93 anos no país.

Na fábrica de Avanca, os investimentos efetuados ascenderam a seis milhões de euros, sendo que esta unidade produz anualmente 35 mil toneladas de produtos, das quais 47% se destinam ao estrangeiro.

O investimento de cerca de 476 mil euros realizado na fábrica do Porto direcionou-se para equipamento destinado a aumentos de eficácia nas linhas de produção, segurança ambiente e conforto dos trabalhadores.

Esta fábrica produz anualmente 12 mil toneladas de café, seus sucedâneos e açúcar, sendo que 21% da sua produção vai para os mercados externos.

Nos Açores, a fábrica de Lagoa recebeu um investimento de 1,6 milhões de euros.

Esta unidade fabril seca mais de 73 milhões de toneladas de leite anualmente e produz 9,5 toneladas de leite em pó e manteiga.

Do total da sua produção, 25% é exportado para as “sociedades aliadas” e produz leite para as máquinas automáticas e outros tipos de leite em pó para incorporação em farinhas lácteas (Cerelac) e chocolates.

Os restantes 9,1 milhões de euros foram investidos na melhoria do parque informático, na frota de carrinhas e na manutenção de edifícios.

Uma das áreas de negócio que mais cresceu foi a da nutrição clínica, na casa dos dois dígitos.

“Esta área de negócio constitui uma das apostas estratégicas da Nestlé em Portugal para os próximos anos”, disse o gestor, lembrando que procura responder às necessidades do público-alvo sénior (maiores de 65 anos)”.

“Esperamos crescer mais de 20% no próximo ano”, disse Jordi Llach, pois é “uma área de negócio de futuro”, salientou.

Nos próximos anos, a Nestlé Portugal vai continuar a apostar em duas categorias estratégicas, cafés e cereais.

“Temos [ainda] espaço para crescer no negócio da nutrição infantil [devido à obesidade infantil]", salientou o gestor, realçando que nos cereais têm reduzido o açúcar e “introduzido produtos sem glúten".

A subsidiária da Nestlé em Portugal apostou também em lançar o novo laboratório na fábrica da Lagoa, equipado com nova tecnologia e onde faz todas as análises do grupo.