Desde a falência do Banco Espírito Santo que se acumulam os receios por parte daqueles que eram clientes do banco.

Centenas de pessoas apanhadas desprevenidas perderam boa parte das economias amealhadas durante anos e numa semana e meia chegaram mais de mil queixas à Associação de Defesa do Consumidor.

Para acorrer aos pedidos de ajuda a Deco criou um acesso na página de internet. Se entrar em www.deco.proteste.pt/caso-bes

, encontrará um formulário disponível para expôr o seu caso.

Para tentar ajudar, a Deco necessita de saber informação exata e relevante, como a data que contratou ou subscreveu o produto financeiro, o montante investido, onde foi dada a informação e o tipo de produto contratado.

A associação diz que não descansará enquanto não forem apuradas responsabilidades e encontrada uma solução para os investidores e lesados. Alguns compraram ações no recente aumento de capital do BES, outros adquiriram títulos de dívida subordinada sem estarem conscientes dos riscos.

Em alternativa ao formulário, a Deco disponibiliza uma linha telefónica de apoio para responder às perguntas dos pequenos investidores, cujos ativos ficaram no antigo BES e que dificilmente serão recuperados.