O Algarve registou cerca de 16,4 milhões de dormidas em 2014, considerado o melhor ano «de sempre», de acordo com dados provisórios revelados esta terça-feira pela Região de Turismo do Algarve (RTA).

Segundo a RTA, o número de dormidas na região cresceu de forma ininterrupta desde 2009, ano em que se registaram 12,9 milhões de dormidas, sendo que o período entre 2009 e 2014 foi o mais longo em termos de crescimento (em 2013 o número de dormidas foi de 14,7 milhões).

Os responsáveis pela maior parte das dormidas no Algarve em 2014 foram os turistas britânicos (5,1 milhões), seguidos dos alemães (1,5 milhões) e dos holandeses (1,3 milhões).

Só no mês de agosto o Algarve registou três milhões de dormidas, um número considerado «recorde» por Desidério Silva, que destacou ainda o facto de a região ter ultrapassado um milhão de voltas de golfe logo no mês de novembro.

Também pela primeira vez, em 2014, o aeroporto de Faro movimentou mais de seis milhões de passageiros.

Em conferência de imprensa, o presidente da RTA, Desidério Silva, afirmou que a expetativa para 2015 é a de manter o crescimento, mas avisou que o Governo não pode «dormir» sobre os números agora alcançados, sob pena de o Algarve perder competitividade face a outras regiões e países.

«Tem sido um esforço de muita gente, mas tem de continuar a ser feito», afirmou, admitindo que é mais difícil crescer sobre uma «base forte», mas mostrando-se confiante de que a procura este ano alinhará com a que se registou em 2014, o que cria «mais responsabilidade e exigência».

Para tentar reforçar os resultados da marca Algarve, a RTA, que este ano comemora 45 anos de existência, quer lançar duas candidaturas, através do Turismo de Portugal e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, na tentativa de captar fundos comunitários para a promoção do destino.

«Queremos reforçar a marca Algarve enquanto destino turístico e isso só se faz com os meios necessários», sublinhou, acrescentando que, apesar de a região estar «limitadíssima» em termos de fundos comunitários, o Turismo do Algarve vai tentar candidatar-se a verbas para promover o destino junto de potenciais mercados.

Segundo Desidério Silva, a questão está ainda a ser discutida com o Turismo de Portugal e CCDR/Algarve, uma vez que não existe regulamento específico para este tipo de candidaturas.