Portugal está cada vez mais na moda como destino turístico. Mas estaremos a vender-nos bem? O conhecido blogger de viagens português, Nelson Carvalheiro, que em 2014 recebeu o galardão Travel Blogger para a Europa na feira de turismo de Madrid, defende que não. É contra a venda de "forma massificada" do país enquanto produto turístico.

Portugal tem de ser vendido pela sua personalidade, pela sua alma, pelo seu cantinho, não de uma forma diminutiva, mas pelo especial que temos, o pequeno, o boutique, o privado e não de uma forma massificada"

PAra Carvalheiro, que trabalhou no Palácio Belmonte em Lisboa até se mudar para Berlim em 2010, a capital portuguesa "está a tornar-se um bocadinho em Barcelona ou Veneza". Os tuk tuk e as lojas de recordações low-cost são exemplos, aos seus olhos, de desvantagens do aumento do turismo em Lisboa 

"Há grandes desafios para se manter a ideia da cidade porque há muita pressão para haver tanta oferta turística", fez notar à Lusa.

O que Portugal tem de especial?

No seu blogue, Nelson Carvalheiro tenta inspirar um "mercado que tem dinheiro para viajar, que procura sítios fora dos circuitos" e que quer "descobrir o que há além desta embaixada que é Lisboa, Porto ou Algarve".

Portugal está agora a juntar-se aos tradicionais destinos europeus como França, Itália, Espanha e Alemanha. O facto de o país ser "um bocadinho desconhecido para o resto do mundo" e de oferecer "comida excelente, paisagens magníficas, pessoas afetuosas por um preço muito competitivo em comparação com o resto da Europa", tem motivado a vaga de novos turistas em Portugal. 

Ainda que a gastronomia portuguesa não seja a principal motivação para a viagem, "estará no primeiro ou no segundo lugar numa das razões por gostarem muito de Portugal quando saem porque é uma memória que fica para a viagem ser repetida".

Nelson Carvalheiro (Site oficial)

Nelson Carvalheiro, que lançou em junho o livro de receitas em inglês "The Portuguese Travel Cookbook" [Viagens pelas Receitas de Portugal], quis mostrar os portugueses "estão abençoados por terem tanta diversidade de alimentos, cozinhas e receitas em todo o país".

A par da época dos Descobrimentos, "a ditadura do Estado Novo, que fechou Portugal às influências externas e permitiu que receitas portuguesas fossem trabalhadas e aprumadas e que ficassem tão boas, fez com que a gastronomia portuguesa se mantenha tão icónica e tão presente em todo o lado".