O terceiro programa de ajuda para Atenas será «mais reduzido» que os dois precedentes, afirmou numa entrevista publicada esta sexta-feira o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, que esta semana referiu a hipótese de um novo plano para a Grécia.

«Antecipamos [a necessidade de dar] ajudas suplementares - sob a condição de o Governo de Atenas cumprir os seus compromissos e com a ideia de que serão verbas bastante mais reduzidas do que as atuais», disse Wolfgang Schäuble ao jornal económico «Handelsblatt».

No início da semana, Schäuble referiu que os países da zona euro deveriam apoiar a Grécia além de 2014, rompendo com a linha oficial alemã e europeia de remeter qualquer decisão sobre o assunto para o próximo ano.

A chanceler Angela Merkel reiterou esta posição na quarta-feira, insistindo nos progressos atingidos pela Grécia.

«Eu não ter queixas depois das eleições (...) por não ter dito a verdade», afirmou Wolfgang Schäuble ao jornal, ao justificar as suas posições.

«Estou feliz pela opinião pública já ter compreendido o que eu disse e repito desde 2012: vamos ter de contemplar novas medidas para a Grécia no próximo ano», acrescentou.