A Hungria saldou a dívida com o Fundo Monetário Internacional, sete meses antes do prazo previsto, anunciou o Governo acrescentando que, com isso, o país vence a «luta pela independência» financeira e põe fim ao diferendo com a instituição.

O anterior Executivo turco contratou com o Fundo, com o Banco Mundial e a União Europeia um empréstimo de 20 mil milhões de euros em 2008. Pouco depois das eleições, o atual Governo recusou-se a aplicar as medidas exigidas pelo Fundo como contrapartida pelo empréstimo e a relação entre ambos azedou, com as delegações do FMI e dos outros dois credores a abandonarem o país.

A Hungria ainda tentou retomar as negociações com os credores no ano passado, mas as duas partes ¿ Governo e credores ¿ nunca se chegaram a entender.

Agora, saldada a dívida, o Governo acredita que a Hungria vai conseguir financiar-se nos mercados financeiros internacionais.