Os conselhos de administração da STCP e da Metro do Porto aprovaram a proposta de adjudicação à Alsa e à Transdev, respetivamente, de subconcessão da operação por 10 anos, confirmou esta terça-feira à Lusa fonte das empresas de transporte público.

As reuniões dos conselhos de administração da STCP e da Metro do Porto, que decorreram na tarde de segunda-feira, aprovaram também o relatório final do júri do concurso, que recebeu quatro propostas.

Segundo fonte oficial das duas empresas, no caso da Metro do Porto, a votação deu-se com "a abstenção da maioria dos representantes do Conselho Metropolitano do Porto".

A mesma fonte referiu que o "processo de subconcessão prossegue no âmbito dos conselhos de administração e dentro do calendário previsto".

As duas empresas congratularam-se ainda "com um procedimento sem qualquer tipo de incidente quer na fase de apresentação de propostas quer em audiência previa, em que o mercado funcionou" e em que foram geradas "significativas poupanças para o erário publico".

O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, anunciou no dia 04 que as empresas Transdev e Alsa apresentaram as melhores propostas à subconcessão da Metro do Porto e da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP), respetivamente.

Em declarações aos jornalistas, Sérgio Monteiro realçou que estas propostas são mais favoráveis, financeiramente, do que a proposta apresentada há meses pelo consórcio espanhol TMB/Moventis, que venceu o concurso público lançado inicialmente pelo Governo, em agosto do ano passado.

”Quem apresentou a melhor proposta foi, para o Metro do Porto, a Transdev, com uma proposta melhor do que aquela que rejeitámos no concurso anterior em 1,35 milhões de euros por ano. No caso da STCP, quem apresentou a melhor proposta foi a empresa Alsa, do Grupo Nacional Express, que apresenta uma proposta cerca de 500 mil euros/ano melhor do que a proposta dos espanhóis que não chegou a avançar”, disse o governante.

O ajuste direto lançado para a subconcessão da Metro do Porto e da STCP recebeu quatro candidatos: Alsa, Barraqueiro, Gondomarense e Transdev.

Afirmando que o critério que será tido em conta na avaliação dos vencedores é “exclusivamente o preço”, Sérgio Monteiro admitiu que “se se confirmar a expectativa que tem (…) é verdade que a Barraqueiro e a Gondomarense não são as vencedoras deste processo”.

Sérgio Monteiro realçou ainda que o ajuste direto lançado pelo governo depois de o grupo espanhol vencedor do concurso público internacional não ter entregado a garantia bancária necessária para assumir a operação da STCP foi “mais concorrido, com mais propostas e com melhor resultado financeiro”, sendo “o valor global face à proposta anterior melhora em 18 milhões de euros”.