Ricardo Sousa depôs hoje em tribunal como testemunha pelo Ministério Público no julgamento dos pedidos de impugnação às contraordenações interpostos por 10 dos 11 arguidos, a decorrer no Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão, em Santarém.

No «retrato» genérico que fez do BPP, a testemunha citou o fundador do banco, João Rendeiro, como «omnipresente» e «omnipotente». Paulo Guichard foi mencionado como «outra pessoa muito forte» e «temida».

«Numa segunda linha» estava Salvador Fezas Vital, que, sem ser decisor, fazia a «ponte» com a parte operacional. Fernando Lima estaria numa «terceira linha, muito operacional», que «quando é preciso decide, mas mais afastado dos outros três». Vítor Castanheira chega mais tarde «mas rapidamente toma conhecimento das irregularidades», concluiu o jurista.