Há funcionários públicos portugueses na Suíça em pânico com a decisão do Banco Nacional de suprimir a taxa de câmbio fixa entre euro e franco suíço, que afeta os seus salários, disse à Lusa fonte sindical.

«Neste momento, os funcionários estão em pânico porque eles não sabem como vai evoluir a situação», disse à Lusa Marília Mendes, responsável dos associados portugueses do sindicato suíço UNIA.

A queda do euro face ao franco suíço afeta seriamente os salários dos funcionários públicos portugueses a trabalhar na Suíça, que recebem em euros.

A sindicalista portuguesa indicou que a diferença cambial irá provocar uma quebra de 20 por cento nos ordenados dos funcionários públicos portugueses, que já estavam numa situação precária.

De acordo com Marília Mendes, alguns funcionários vão passar a receber salários inferiores ao equivalente a 2000 francos suíços, sendo que se admite que 4000 francos suíços corresponde a um ordenado mínimo para viver na Suíça.

Para ilustrar a gravidade do problema, a responsável explicou que «por exemplo, em Zurique não se encontra um aluguer de casa inferior a 2000 francos».

«Ontem, foi um dia em que tudo bateu no fundo. Se antes, à taxa de 1.20 já ganhávamos salários de pobres, agora, com isto, foi o desabamento completo», disse à Lusa uma funcionária que prefere guardar o anonimato.

Questionada sobre a diferença cambial, uma professora da rede EPE na Suíça, que não quis ser identificada, disse à Lusa que «está altamente preocupada».

«É uma angústia não só para os professores, mas também para os funcionários consulares, como vai ser para simplesmente pagar as despesas básicas», disse.

Outro professor, Alberto Correia, disse à Lusa que ficou estarrecido com a decisão do Governo suíço.
Ele indica num correio eletrónico destinado às autoridades portugueses na Suíça que «a Suíça é um dos países mais caros do mundo e esta decisão da economia suíça vem arrasar qualquer possibilidade de continuar a viver com dignidade neste país» e expõe o seu desespero face à degradação das condições de trabalho ao longos destes últimos anos.